El negocio del turismo rural: emprendimientos en estado de São Paulo (Brasil)

Main Article Content

Karina Toledo Solha

Resumen

El segmento de turismo rural ha ido ganando un reconocimiento nacional e internacional y ha provocado el interés de los gestores políticos, profesionales e investigadores. La necesidad de entender la dinámica de la gestión empresarial y la operación se puede ver en los diversos estudios sobre el perfil de las empresas de turismo rural, preparado por las entidades que realizan el potencial y la relevancia del segmento. Sin embargo, los resultados generados son todavía escasos, inexactos y débiles. Y aun así, no hay información acerca de las empresas o de la demanda de turistas para este tipo de producto y servicio. En este contexto, se ha propuesto contribuir a la construcción de conocimientos sobre el tema a investigar los emprendimientos de turismo rural en el estado de São Paulo. Por lo tanto, se analizaron los datos recogidos por la Asociación del Turismo Rural de São Paulo (ABRATURR/SP), en 2014, junto con los empresarios de turismo rural en el estado. Como resultado, se observa que se trata de un segmento con operaciones en todo el territorio del estado, con muchos emprendimientos de una larga trayectoria, pero constituyen una oferta de servicios poco diversificada y que se encuentran inmersos en un profundo proceso de transformación.

Article Details

Como citar
TOLEDO SOLHA, Karina. El negocio del turismo rural: emprendimientos en estado de São Paulo (Brasil). El Periplo Sustentable, [S.l.], n. 36, p. 260 - 294, jun. 2019. ISSN 1870-9036. Disponible en: <https://rperiplo.uaemex.mx/article/view/9145>. Fecha de acceso: 25 ago. 2019
Sección
Artículos

Citas

Bovo, C. E. O. (2004). Turismo rural realmente rural-radiografia crítica no Estado de São Paulo. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.
Brandão, C.R. (1983). Os caipiras de São Paulo. Coleção Tudo é História. São Paulo: Brasiliense.
Carvalho, A. N. (2012). Análise da relação simbólica da hospitalidade: desdobramentos e apropriações em fazendas históricas inseridas em espaços rurais. Tese de Doutorado. Universidade Estadual Paulista, Rio Claro.
Esteves, M.C. (2001). O SEBRAE-SP e o turismo rural no Estado de São Paulo. In Anais do 3º Congresso Brasileiro de Turismo Rural (99-104). Piracicaba: FEALQ.
Eusébio, C. & Figueiredo, E. (2014). Turismo e desenvolvimento sustentável em destinos rurais. In Reinventar o turismo rural em Portugal-cocriação de experiências turísticas sustentáveis (51-58). Aveiro: UA Editora.
FAESP & SENAR (2010). SENAR atinge a marca histórica de mais de dois milhões de participantes em seus cursos e programas de formação profissional rural e promoção social. Informativo FAESP/SENAR/SP, VI(1), 14-20.
FAESP & SENAR (2011). Formação profissional: turismo tem novas ações para 2012. Informativo FAESP/SENAR/SP, VII (6), 48-49.
Ferri, C. (coord.) (2011). Produção acadêmico-científica: a pesquisa e o ensaio. Itajaí: Univali.
Figueroa González, L.F. Carozos Arroyo, J., Mayet Moreno, Y. (2015). Desarrollo de productos turísticos rurales sustentables. Propuesta y validación de expertos respecto a tres variables. El Périplo Sustentable, (28), 115-139.
Geraldo, J. C. (2012). Contribuição para caracterização das atividades de turismo em espaço rural em propriedades de médio e grande porte nas Cuestas do Estado de São Paulo. Tese de Doutorado, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro.
Gonçalves, K. D. (2004). A municipalização na formação de produtos turísticos regionais: pólo turístico do Circuito das frutas. Dissertação de Mestrado. Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo.
Hespanhol, A.N. (2013). O turismo nos espaços rurais do oeste paulista: possibilidades e limites. In R.C.C. Thomas et al. (org.). Turismo, políticas e dinâmicas no espaço rural (227-246). Campo Grande: Editora UFMS.
IBGE (2011). Atlas do espaço rural brasileiro. Rio de Janeiro. Recuperado de http://biblioteca.ibge.gov.br/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=263372, [19 janeiro, 2016].
IBGE (2015). Projeto Regiões Rurais-2015 (Relatório Técnico), Rio de Janeiro, RJ. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Recuperado de http://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=294413, [19 janeiro 2016].
Kastenholz, E. & Lima, J. (2011). The integral rural tourism experience from the tourist´s point of view – a qualitative analysis of its natue and meanning. Tourism & Management Studies (7), 62-74.
Mazuel, L. (2000). Patrimônio cultural e turismo rural: o exemplo francês. In J. Anécio & M. Reidl. Turismo rural: ecologia, lazer e desenvolvimento (95-114). Bauru: EDUSC.
Oliveira, C. G. de S. (2001). Turismo rural: procedimentos para implantação dessa atividade em propriedades rurais do estado de São Paulo. Dissertação de Mestrado, Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo.
Oliveira, C. G. de S. (2004). Gestão do turismo rural. In D. Ruschmann & K.T. Solha, Turismo: uma visão empresarial (46-66). Barueri: Manole.
Pinho, A. M. (2014). Turismo rural, sustentabilidade e o serviço público de extensão rural no Estado de São Paulo. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de São Carlos. São Carlos.
Roque, A. (2006). Guia do Turismo de Campo. Turismo Rural do Estado de São Paulo. São Paulo: Editora Turismo de Campo.
Roque, A. (2012). Panorama Empresarial do Turismo Rural. IDESTUR/SEBRAE. São Paulo. Recuperado de http://www.idestur.org.br/pdf/panorama.pdf, [23 de novembro de 2015].
Roque, A. (2014). Turismo rural-reconhecimento e legalização. Como resultado, sustentabilidade e mercado. Turismo em Pauta, (21), 49-54.
Roscoche, L. F.; Carvalho, R. C. de (2006). Os conceitos de turismo no meio rural e as diferentes realidades regionais do Brasil: estudo comparativo preliminar entre Pernambuco e Paraná. In A. P. Portugues et al. (org.). Turismo no espaço rural: enfoques e perspectivas (269-279). São Paulo: Roca.
São Paulo (2008). Projeto Lupa. Secretaria de Agricultura e Abastecimento. Recuperado de http://www.cati.sp.gov.br/projetolupa/sobreolupa.php, [20 de fevereiro de 2016].
SEBRAE (2013). Retrato do turismo rural no Brasil com foco nos pequenos negócios. Brasília. Recuperado de http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/9e845a6d413535b25fd040f6c5ea079e/$File/5142.pdf, [10 de novembro de 2015].
Sharpley, R. (2004). Tourism and the countryside. In A, Lew, M .C. Hall, & M. Williams, A companion to tourism (347-386). UK: Blackwell Publishing.
Silva, J. G. da & Grossi, M. E. del (2000). O novo rural brasileiro. Ocupações rurais não Agrícolas. Oficina de Atualização Temática. Projeto Rurbano. Recuperado de http://www.iapar.br/arquivos/File/zip_pdf/novo_rural_br.pdf, [09 de janeiro de 2015].
Silva, J.G. da et al. (1996). O rural paulista: muito além do agrícola e do agrário. São Paulo em Perspectiva, 10 (2). Recuperado de http://produtos.seade.gov.br/produtos/spp/v10n02/v10n02_09.pdf, [01 de janerio de 2016].
Tulik, O. (2001). Turismo e meios de hospedagem: casas de temporada. São Paulo: Roca.
Wanderley, M. de N.B. (2001). A ruralidade no Brasil moderno. Por um pacto social pelo desenvolvimento rural. In N. Giarraca (ed.), Una nueva ruralidad en America Latina? (31-44). Buenos Aires: CLACSOP.