Valoración de uso ecoturístico del Parque Estadual Fritz Plaumann, Concórdia – Santa Catarina, Brasil

Main Article Content

Karen de Sousa Gimenes Fagno Tavares De Oliveira

Resumen

Esta investigación estudia la influencia de las variables en la disposición a pagar de los visitantes mediante su perfil socioeconómico y las preferencias. La investigación fue realizada en el Parque Estatal Fritz Plaumann, Concórdia – SC, Brasil. Cuestionarios y formularios fueron utilizados para la recolección de datos junto a los visitantes espontáneos mayores de 18 años, un total de 138 cuestionarios / formularios fueron aplicados durante los meses de julio y octubre de 2016, los cuales se caracterizaron en relación con la percepción del viaje, los objetivos del viaje al atractivo, el perfil de los visitantes, ingresos y costes y la valoración del Parque. En el análisis de los datos, se encontró que la mayor proporción de los visitantes del parque son residentes locales, con edades comprendidas entre 26 y 35 años y un alto nivel de educación. La mayoría de ellos están visitando el parque la primera vez, impulsado por referencias de amigos o familiares. Los resultados indicaron un alto nivel de disposición a pagar (R$ 34.934,63 por año), que podría contribuir para la manutención y mejoría de la infraestructura para el uso público y conservación de la biodiversidad. Pero, la tasa de entrada en el parque debe aplicarse solamente a los turistas, eximiendo a los residentes locales, promoviendo la inclusión social y la valoración del Parque Estatal Fritz Plaumann por la sociedad.

Article Details

Como citar
GIMENES, Karen de Sousa; DE OLIVEIRA, Fagno Tavares. Valoración de uso ecoturístico del Parque Estadual Fritz Plaumann, Concórdia – Santa Catarina, Brasil. El Periplo Sustentable, [S.l.], n. 37, p. 29 - 61, ago. 2019. ISSN 1870-9036. Disponible en: <https://rperiplo.uaemex.mx/article/view/9140>. Fecha de acceso: 06 dic. 2019
Sección
Artículos

Citas

Aguilar, A. S. (2013). Valoração econômica dos serviços ambientais em unidade de proteção integral. Estudo de caso do Monumento Natural da Mãe D’água, Serra da Moeda, Brumadinho/MG: enfoque recursos hídricos. Dissertação (Mestrado profissional) Universidade Federal de Santa Catarina.

Betti, P; Denardin, V. F. (2013). Turismo de base comunitária em Unidades de Conservação: justiça ambiental para o desenvolvimento local. Revista Brasileira de Ecoturismo. São Paulo, v. 6, (4), 176-190.

Bittencourt, F. (2015) Ecoturismo em Unidades de Conservação: Proposta para o Parque Natural Municipal das Dunas de Ingleses e Santinho, Florianópolis-SC. Revista Cenário. Brasília, v. 3. (4). 125-144.

Brasil. Mma. (2016). Cadastro Nacional de Unidades de Conservação. Brasília: MMA.

Brasil. (2000). Lei nº 9.985, de 18 de Julho de 2000. Regulamenta o art. 225, §1º, incisos I, II, III e IV da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos.

Brasil, Mma. (2004) Diagnóstico da visitação em parques nacionais e estaduais. Brasília: MMA.

Brasil, Mma. (2011). Pagamentos por Serviços Ambientais na Mata Atlântica: Lições aprendidas e desafios Brasília: MMA.

Brasil. Mma. (2007b). Programa Nacional de Áreas Protegidas. Brasília: MMA.

Brasil, Mtur. (2010). Ecoturismo: orientações básicas. Brasília: Ministério do Turismo, 2. ed.

Brasil. (2004). Manual de melhores práticas para o ecoturismo. Rio de Janeiro: FUNBIO; Instituto ECOBRASIL, Programa MPE.

Brasil. (2011). Núcleo de Pesquisas e Estudos do Senado. Pagamentos por Serviços Ambientais: Aspectos teóricos e proposições legislativas.

Brasil. (2009). Portaria n° 366 de 07 de Outubro de 2009. Diário Oficial da União - Seção 1, nº 193, pg 117, de 8 de outubro de 2009.

Comune, A. E. (1994). Meio ambiente, economia e economistas: uma breve discussão. In: May, P. H. & Seroa da Motta, R. (orgs.). Valorando a natureza: análise econômica para o desenvolvimento sustentável. São Paulo:Editora Campus.

Duarte, L; Ladeira, A. S; Ribeiro, G. A et al. (2007). O perfil dos visitantes do Parque Estadual do Ibitipoca. Sociedade de Investigações Florestais. Minas Gerais: Viçosa, v.31, (6), 1091-1098.

Dutra, V. C; Senna, M. L. G. S; Ferreira, M. N et al. (2008). Caracterização do perfil e da qualidade da experiência dos visitantes no Parque Estadual do Jalapão, Tocantins. Caderno Virtual de Turismo. v. 8, (1), 104-117.

Drumm, A; Moore, A. (2003). Desenvolvimento do Ecoturismo: Um manual para os profissionais de conservação. A manual series for conservation planners and managers. The Nature Conservancy, Arlington, Virginia, USA.

Fatma. (2000). Fundação do Meio Ambiente. Plano de Manejo Parque Estadual Fritz Plaumann/SC. Santa Catarina.

Fatma. (2013). Fundação do Meio Ambiente. Plano de Manejo Parque Estadual Fritz Plaumann/SC. Santa Catarina.

Flaminio, G. C; Lobo, H. A. S. (2015). Perfil, expectativa de consumo e satisfação dos visitantes do fim de semana da Vila Histórica de Paranapiacaba - Santo André, SP. Revista Turismo em Análise. São Paulo, v. 26, (2), 282-307.

Gil, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1989.

Iucn. (2011). International Union for Conservation Nature. Tourism. 2011.

Limberger, P. F; Pires, P. S. (2014). A aplicação das metodologias de capacidade de carga turística e dos modelos de gestão da visitação no Brasil. Revista de Turismo Contemporâneo. Natal, v. 2, (1), 27-48.

Macagnani, F. (2014). Potencial para atividades de ecoturismo em trilhas do Parque Nacional Saint-Hilaire/Lange, Serra da Prata, Paraná. Matinhos. Originalmente apresentado como trabalho de conclusão de curso - Universidade Federal do Paraná.

Maia, A. G; Romeiro, A. R; Reydon, B. P. (2004). Valoração de recursos ambientais – metodologias e recomendações. Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas.

Malta, R. R; Costa, N. M. C. (2009). Gestão do Uso Público em Unidade de Conservação: a Visitação no Parque Nacional da Tijuca - RJ. Revista Brasileira de Ecoturismo. São Paulo, v. 2, (3), 273-294.

Mattos, A. D. M. (2006). Valoração ambiental de áreas de preservação permanente da microbacia do Ribeirão São Bartolomeu no município de Viçosa - MG. Tese apresentada na Universidade Federal de Viçosa no Programa de Pós-Graduação em Ciência Florestal.

Mattos, K. M. C; Mattos, K. M. C; Mattos, A. (2005). Valoração econômica do meio ambiente dentro do contexto do desenvolvimento sustentável. Revista Gestão Industrial, v. 01, (2), 105-117.

Medeiros, R; Young, C. E. F. (2011). Contribuição das unidades de conservação brasileiras para a economia nacional: Relatório Final. Brasília: UNEP‐WCMC.

Merico, L. F. K. (1996). Introdução à economia ecológica. Blumenau: Ed. FURB.

Mikhailova, I; Mulbeier, J. (2008). Ecoturismo em unidades de conservação: um estudo de caso do Parque Estadual do Turvo, Derrubadas – RS. Caderno Virtual de Turismo, v.8, (3), 1-21.

Motta, R. S. (1997). Manual Para Valoração Econômica de Recursos Ambientais. Rio de Janeiro: IPEA/ MMA/ PNUD/ CNPq.

Motta, R. S. (2012). Valoração e precificação dos recursos ambientais para uma economia verde. Economia Verde, desafios e oportunidades.

Oliveira, F. T. Desafios do serviço florestal de ecoturismo no Brasil: perspectivas de desenvolvimento nas florestas nacionais da Amazônia. 2014. XIII, 129 f., il. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal). Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

Oliveira. F. T; Brandão, R. A. (2016). Perspectivas do ecoturismo: uma análise sobre características e percepções locais na Floresta Nacional Saracá-Taquera, Pará – Brasil. El Periplo Sustentable, (30), 77-105.

Oliveira, M. P; Ferreira, E; Ribeiro, M et al. (2015). Perfil, percepção e opinião dos visitantes do Parque Nacional do Itatiaia (RJ) em períodos de maior demanda. Anais do II Encontro Fluminense de Uso Público em Unidades de Conservação. Turismo, recreação e educação: caminhos que se cruzam nos parques. Rio de Janeiro: Niterói.

Pellin, A; Carvalho, G; Reis, J. C et al. (2014). Gestão do Uso Público em Unidades de Conservação Urbanas: o Caso do Parque Estadual da Pedra Branca (RJ). Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo. v.7, (2), 344-373.

Pereira, A. F; Costa, M. H. O; Faria, S. P et al. (2015). O Parque Estadual do Sumidouro (MG): conflitos socioambientais e o fechamento das pedreiras. Anais do II Encontro Fluminense de Uso Público em Unidades de Conservação. Turismo, recreação e educação: caminhos que se cruzam nos parques. Niterói.

Portal brasil. (2016). Número de visitantes em unidades de conservação cresce 320% em 10 anos.

Portugal digital. (2013). Crescimento mundial do mercado de ecoturismo chega a 25% ao ano.

Resende, F. M; Fernandes, G. W. A; Andrade, D. C et al. (2014). Valoração econômica do Parque Nacional da Serra do Cipó (Minas Gerais): uma aplicação do método contingente. Anais do XLI Encontro Nacional de Economia.

Ruschmann, D. V. M. (1999). Turismo e Planejamento Sustentável: a proteção do meio ambiente. Campinas: Papirus, ed. 4.

Santa Catarina. Decreto nº 797, de 24 de setembro de 2003.

Sant'anna, A. C; Nogueira, J. M. (2010). Valoração econômica dos serviços ambientais de florestas nacionais. Revista de Administração e Negócios da Amazônia. Amazônia, v.2, (1), 82-108.

Scherl, M. L; Wilson, A; Wild, R et al. (2006). As áreas protegidas podem contribuir para a redução da pobreza? Oportunidades e limitações. IUCN, Gland, Suíça e Cambridge, Reino Unido.

Silva, M. (2005). O programa brasileiro de unidades de conservação. Megadiversidade. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, v.1, (1), 22-25.

Simiqueli, R. F. (2008). Perspectivas para a conservação do Parque Estadual do Ibitipoca – MG: participação social, avaliação, manejo e percepção ambiental. Instituto de Ciências Biológicas/ UFJF - Dissertação – Universidade Federal de Juiz de Fora.

Ties. (s/d). The International Ecotourism Society. What is Ecotourism?.

Waatanabe, A. A. (2007). Análise da satisfação dos visitantes do Parque Estadual do Rio da Onça/PR, no contexto do turismo em unidades de conservação. Dissertação de mestrado. Universidade do Vale do Itajaí – Univali, Campus de Balneário Camboriú.