Valoración de uso ecoturístico del Parque Estadual Fritz Plaumann, Concórdia – Santa Catarina, Brasil

Main Article Content

Karen de Sousa Gimenes Fagno Tavares De Oliveira

Resumen

Esta investigación estudia la influencia de las variables en la disposición a pagar de los visitantes mediante su perfil socioeconómico y las preferencias. La investigación fue realizada en el Parque Estatal Fritz Plaumann, Concórdia – SC, Brasil. Cuestionarios y formularios fueron utilizados para la recolección de datos junto a los visitantes espontáneos mayores de 18 años, un total de 138 cuestionarios / formularios fueron aplicados durante los meses de julio y octubre de 2016, los cuales se caracterizaron en relación con la percepción del viaje, los objetivos del viaje al atractivo, el perfil de los visitantes, ingresos y costes y la valoración del Parque. En el análisis de los datos, se encontró que la mayor proporción de los visitantes del parque son residentes locales, con edades comprendidas entre 26 y 35 años y un alto nivel de educación. La mayoría de ellos están visitando el parque la primera vez, impulsado por referencias de amigos o familiares. Los resultados indicaron un alto nivel de disposición a pagar (R$ 34.934,63 por año), que podría contribuir para la manutención y mejoría de la infraestructura para el uso público y conservación de la biodiversidad. Pero, la tasa de entrada en el parque debe aplicarse solamente a los turistas, eximiendo a los residentes locales, promoviendo la inclusión social y la valoración del Parque Estatal Fritz Plaumann por la sociedad.

Article Details

Como citar
GIMENES, Karen de Sousa; DE OLIVEIRA, Fagno Tavares. Valoración de uso ecoturístico del Parque Estadual Fritz Plaumann, Concórdia – Santa Catarina, Brasil. El Periplo Sustentable, [S.l.], n. 37, p. 29 - 61, ago. 2019. ISSN 1870-9036. Disponible en: <https://rperiplo.uaemex.mx/article/view/9140>. Fecha de acceso: 01 jun. 2020 doi: https://doi.org/10.36677/elperiplo.v0i37.9140.
Sección
Artículos

Citas

Aguilar, A. S. (2013). Valoração econômica dos serviços ambientais em unidade de proteção integral. Estudo de caso do Monumento Natural da Mãe D’água, Serra da Moeda, Brumadinho/MG: enfoque recursos hídricos. Dissertação (Mestrado profissional) Universidade Federal de Santa Catarina.

Betti, P; Denardin, V. F. (2013). Turismo de base comunitária em Unidades de Conservação: justiça ambiental para o desenvolvimento local. Revista Brasileira de Ecoturismo. São Paulo, v. 6, (4), 176-190.

Bittencourt, F. (2015) Ecoturismo em Unidades de Conservação: Proposta para o Parque Natural Municipal das Dunas de Ingleses e Santinho, Florianópolis-SC. Revista Cenário. Brasília, v. 3. (4). 125-144.

Brasil. Mma. (2016). Cadastro Nacional de Unidades de Conservação. Brasília: MMA.

Brasil. (2000). Lei nº 9.985, de 18 de Julho de 2000. Regulamenta o art. 225, §1º, incisos I, II, III e IV da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos.

Brasil, Mma. (2004) Diagnóstico da visitação em parques nacionais e estaduais. Brasília: MMA.

Brasil, Mma. (2011). Pagamentos por Serviços Ambientais na Mata Atlântica: Lições aprendidas e desafios Brasília: MMA.

Brasil. Mma. (2007b). Programa Nacional de Áreas Protegidas. Brasília: MMA.

Brasil, Mtur. (2010). Ecoturismo: orientações básicas. Brasília: Ministério do Turismo, 2. ed.

Brasil. (2004). Manual de melhores práticas para o ecoturismo. Rio de Janeiro: FUNBIO; Instituto ECOBRASIL, Programa MPE.

Brasil. (2011). Núcleo de Pesquisas e Estudos do Senado. Pagamentos por Serviços Ambientais: Aspectos teóricos e proposições legislativas.

Brasil. (2009). Portaria n° 366 de 07 de Outubro de 2009. Diário Oficial da União - Seção 1, nº 193, pg 117, de 8 de outubro de 2009.

Comune, A. E. (1994). Meio ambiente, economia e economistas: uma breve discussão. In: May, P. H. & Seroa da Motta, R. (orgs.). Valorando a natureza: análise econômica para o desenvolvimento sustentável. São Paulo:Editora Campus.

Duarte, L; Ladeira, A. S; Ribeiro, G. A et al. (2007). O perfil dos visitantes do Parque Estadual do Ibitipoca. Sociedade de Investigações Florestais. Minas Gerais: Viçosa, v.31, (6), 1091-1098.

Dutra, V. C; Senna, M. L. G. S; Ferreira, M. N et al. (2008). Caracterização do perfil e da qualidade da experiência dos visitantes no Parque Estadual do Jalapão, Tocantins. Caderno Virtual de Turismo. v. 8, (1), 104-117.

Drumm, A; Moore, A. (2003). Desenvolvimento do Ecoturismo: Um manual para os profissionais de conservação. A manual series for conservation planners and managers. The Nature Conservancy, Arlington, Virginia, USA.

Fatma. (2000). Fundação do Meio Ambiente. Plano de Manejo Parque Estadual Fritz Plaumann/SC. Santa Catarina.

Fatma. (2013). Fundação do Meio Ambiente. Plano de Manejo Parque Estadual Fritz Plaumann/SC. Santa Catarina.

Flaminio, G. C; Lobo, H. A. S. (2015). Perfil, expectativa de consumo e satisfação dos visitantes do fim de semana da Vila Histórica de Paranapiacaba - Santo André, SP. Revista Turismo em Análise. São Paulo, v. 26, (2), 282-307.

Gil, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1989.

Iucn. (2011). International Union for Conservation Nature. Tourism. 2011.

Limberger, P. F; Pires, P. S. (2014). A aplicação das metodologias de capacidade de carga turística e dos modelos de gestão da visitação no Brasil. Revista de Turismo Contemporâneo. Natal, v. 2, (1), 27-48.

Macagnani, F. (2014). Potencial para atividades de ecoturismo em trilhas do Parque Nacional Saint-Hilaire/Lange, Serra da Prata, Paraná. Matinhos. Originalmente apresentado como trabalho de conclusão de curso - Universidade Federal do Paraná.

Maia, A. G; Romeiro, A. R; Reydon, B. P. (2004). Valoração de recursos ambientais – metodologias e recomendações. Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas.

Malta, R. R; Costa, N. M. C. (2009). Gestão do Uso Público em Unidade de Conservação: a Visitação no Parque Nacional da Tijuca - RJ. Revista Brasileira de Ecoturismo. São Paulo, v. 2, (3), 273-294.

Mattos, A. D. M. (2006). Valoração ambiental de áreas de preservação permanente da microbacia do Ribeirão São Bartolomeu no município de Viçosa - MG. Tese apresentada na Universidade Federal de Viçosa no Programa de Pós-Graduação em Ciência Florestal.

Mattos, K. M. C; Mattos, K. M. C; Mattos, A. (2005). Valoração econômica do meio ambiente dentro do contexto do desenvolvimento sustentável. Revista Gestão Industrial, v. 01, (2), 105-117.

Medeiros, R; Young, C. E. F. (2011). Contribuição das unidades de conservação brasileiras para a economia nacional: Relatório Final. Brasília: UNEP‐WCMC.

Merico, L. F. K. (1996). Introdução à economia ecológica. Blumenau: Ed. FURB.

Mikhailova, I; Mulbeier, J. (2008). Ecoturismo em unidades de conservação: um estudo de caso do Parque Estadual do Turvo, Derrubadas – RS. Caderno Virtual de Turismo, v.8, (3), 1-21.

Motta, R. S. (1997). Manual Para Valoração Econômica de Recursos Ambientais. Rio de Janeiro: IPEA/ MMA/ PNUD/ CNPq.

Motta, R. S. (2012). Valoração e precificação dos recursos ambientais para uma economia verde. Economia Verde, desafios e oportunidades.

Oliveira, F. T. Desafios do serviço florestal de ecoturismo no Brasil: perspectivas de desenvolvimento nas florestas nacionais da Amazônia. 2014. XIII, 129 f., il. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal). Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

Oliveira. F. T; Brandão, R. A. (2016). Perspectivas do ecoturismo: uma análise sobre características e percepções locais na Floresta Nacional Saracá-Taquera, Pará – Brasil. El Periplo Sustentable, (30), 77-105.

Oliveira, M. P; Ferreira, E; Ribeiro, M et al. (2015). Perfil, percepção e opinião dos visitantes do Parque Nacional do Itatiaia (RJ) em períodos de maior demanda. Anais do II Encontro Fluminense de Uso Público em Unidades de Conservação. Turismo, recreação e educação: caminhos que se cruzam nos parques. Rio de Janeiro: Niterói.

Pellin, A; Carvalho, G; Reis, J. C et al. (2014). Gestão do Uso Público em Unidades de Conservação Urbanas: o Caso do Parque Estadual da Pedra Branca (RJ). Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo. v.7, (2), 344-373.

Pereira, A. F; Costa, M. H. O; Faria, S. P et al. (2015). O Parque Estadual do Sumidouro (MG): conflitos socioambientais e o fechamento das pedreiras. Anais do II Encontro Fluminense de Uso Público em Unidades de Conservação. Turismo, recreação e educação: caminhos que se cruzam nos parques. Niterói.

Portal brasil. (2016). Número de visitantes em unidades de conservação cresce 320% em 10 anos.

Portugal digital. (2013). Crescimento mundial do mercado de ecoturismo chega a 25% ao ano.

Resende, F. M; Fernandes, G. W. A; Andrade, D. C et al. (2014). Valoração econômica do Parque Nacional da Serra do Cipó (Minas Gerais): uma aplicação do método contingente. Anais do XLI Encontro Nacional de Economia.

Ruschmann, D. V. M. (1999). Turismo e Planejamento Sustentável: a proteção do meio ambiente. Campinas: Papirus, ed. 4.

Santa Catarina. Decreto nº 797, de 24 de setembro de 2003.

Sant'anna, A. C; Nogueira, J. M. (2010). Valoração econômica dos serviços ambientais de florestas nacionais. Revista de Administração e Negócios da Amazônia. Amazônia, v.2, (1), 82-108.

Scherl, M. L; Wilson, A; Wild, R et al. (2006). As áreas protegidas podem contribuir para a redução da pobreza? Oportunidades e limitações. IUCN, Gland, Suíça e Cambridge, Reino Unido.

Silva, M. (2005). O programa brasileiro de unidades de conservação. Megadiversidade. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, v.1, (1), 22-25.

Simiqueli, R. F. (2008). Perspectivas para a conservação do Parque Estadual do Ibitipoca – MG: participação social, avaliação, manejo e percepção ambiental. Instituto de Ciências Biológicas/ UFJF - Dissertação – Universidade Federal de Juiz de Fora.

Ties. (s/d). The International Ecotourism Society. What is Ecotourism?.

Waatanabe, A. A. (2007). Análise da satisfação dos visitantes do Parque Estadual do Rio da Onça/PR, no contexto do turismo em unidades de conservação. Dissertação de mestrado. Universidade do Vale do Itajaí – Univali, Campus de Balneário Camboriú.