Língua e tradição: A reconstituição de uma língua própria e seu papel como diacrítico na luta dos Pataxó pela garantia de direitos.

Main Article Content

Sandro Campos Neves

Resumen

O presente artigo tematiza a tentativa de reconstituição de uma


língua própria entre os Pataxó de Coroa Vermelha, concebendo-a como parte de um processo de realinhamento político, nos moldes tradicionais dos movimentos étnicos, da comunidade indígena no município de Santa Cruz Cabrália-BAem direção a um projeto de indianidade. Procuro ressaltar a forma como a língua própria exerce papel fundamental tanto nas cogitações Pataxó, quanto na visão que deles constroem os diversos outros com os quais lidam cotidianamente. O uso que se faz desta preponderância dada à língua e o investimento político em sua rearticulação se mostram nexos pulsantes da organização da socialidade Pataxó na região e na constituição de suas fronteiras. Procuro, ao longo do artigo, evidenciar o atual estágio de articulação do ensino e utilização da língua, apontando para seus limites e potencialidades como ferramenta política.


 

Article Details

Como citar
CAMPOS NEVES, Sandro. Língua e tradição: A reconstituição de uma língua própria e seu papel como diacrítico na luta dos Pataxó pela garantia de direitos.. El Periplo Sustentable, [S.l.], n. 33, p. 605-635, oct. 2017. ISSN 1870-9036. Disponible en: <https://rperiplo.uaemex.mx/article/view/4868>. Fecha de acceso: 06 oct. 2022
Sección
Artículos

Citas

Bourdieu, P. (2004). O poder simbólico. 7a edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Cancela, F. (2007). A Presença de Não-índios nas Vilas de Índios de Porto Seguro: Relações Interétnicas, Territórios Multiculturais e Reconfiguração de Identidade Reflexões Iniciais. In Espaço Ameríndio, 1(1), Porto Alegre.

Carneiro Da Cunha, M. (2009). Etnicidade: da cultura residual, mas irredutível. In Cultura com Aspas. São Paulo: Cosac Naify.

Carvalho, M. R. G. (1977). Os Pataxó de Barra Velha: seu subsistema econômico. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Salvador: UFBA.

Gallagher, J. T. (1974). The Emergence of an African Ethnic Group: the Case of the Ndendeuli. In The International Journal of American Historical Studies, 7 (1), 1-26.

Goldstein, M. C. (1975). Ethnogenesis and Resource Conpetition among Tibetan Refugees in South India. In Despres, L. (ed.). Ethnicity and Resource Competition in Plural Societies (159-186). Paris: Mouton Publishers.

Gordon, C. (2003). Folhas Pálidas: A incorporação Xikrin (Mebêngôkre) do dinheiro e das mercadorias. Tese de Doutorado. Rio de janeiro:UFRJ/ MN/PPGAS.

Grunewald, R.A. (1999). Os ‘índios do Descobrimento’: tradição e turismo. Tese de Doutorado. Rio de janeiro:UFRJ/ MN/PPGAS.

Kohler, F. (S/D). Uma Gênese Pataxó: o massacre de 51. Sem indicação de referência da publicação.

Neves, S.C. (2012). A apropriação indígena do turismo: os Pataxó de Coroa Vermelha e a expressão da tradição. Tese de Doutorado. Salvador: UFBA/PPGA.

Neves, S.C. (2011). Produção, Circulação e Significados do Artesanato Pataxó no Contexto Turístico da aldeia de Coroa Vermelha, Santa Cruz Cabrália-BA. Pasos. Revista de Turismo e Patrimônio Cultural, 9(3), 45-58.

Neves, S.C. (2015). “O índio não gosta de ficar cativo”: Trabalho e Tradição nas Atividades gosta Econômicas dos Pataxó da Aldeia de Coroa Vermelha. Pasos. Revista de Turismo e Patrimônio Cultural,13(1), 131-143.

Oliveira C. V. (1985). Barra Velha -A Verdadeira História dos Índios Pataxó. Londrina: PR, edição do autor.

Oliveira, J.P. (ed.) (2004). A viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste Indígena. 2.ed. Rio de Janeiro: Contra Capa/LACED.

Peres, S. (2004). Terras indígenas e ação indigenista no Nordeste (1910-1967). In Oliveira, J.P. (ed.) (2004). A viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste Indígena. 2.ed. Rio de Janeiro: Contra Capa/LACED.

Sahlins, M.D. (2004). Adeus aos tristes tropos: a etnografia no contexto da moderna história mundial. In Sahlins, M.D. Cultura na Prática. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ.

Sahlins, M.D. (1997). O pessimismo sentimental e a experiência etnográfica: porque a cultura não é um objeto em vias de extinção (parte I). In MANA Revista de Antropologia Social do PPGAS/MN/UFRJ, 3 (1), 41-73, Rio de Janeiro.

Sampaio, J. A. L. (1996). “Sob o signo da cruz” Relatório circunstanciado de identificaçãos e delimitação da terra indígena Pataxó de Coroa Vermelha. Salvador.

Viveiros De Castro, E. (1999). Etnologia brasileira. In Miceli, S. (org.). O que ler na ciência social brasileira (1970-1995). São Paulo: Sumaré/ANPOCS (v. 1, Antropologia).

Wagner, R. (2006). A invenção da Cultura. São Paulo: Cosac & Naify. Tradução: Marcela Coelho de Souza.

Wied-neuwied, M. (Príncipe de) (1989). Viagem ao Brasil. Itatiaia: Belo Horizonte.