Novos arranjos espaciais da oferta turística associados às unidades de conservação presentes em espaços metropolitanos: O caso das áreas de expansão urbana da metrópole paulista no entorno do parque estadual do Jaraguá (SP).

Main Article Content

Reinaldo Miranda de Sá Teles Silvia María Bellato Nogueira

Resumen

O projeto ora apresentado objetiva discutir os espaços metropolitanos e a
expansão urbana no entorno de uma Unidade de Conservação de Proteção
integral, no caso, o Parque Estadual do Jaraguá localizado na cidade de São
Paulo. Também discute a inserção desta área protegida na complexidade
megalopolitana de São Paulo. Deste modo, pretende-se avaliar os elementos
da coesão territorial entre um complexo espaço metropolitano e um espaço
de uso restritivo como o de um parque estadual, assim como, a eficácia dos
programas de gestão aplicados pelo poder público nesta localidade. O trabalho
apresenta resultados parciais de um projeto mais abrangente, que vem sendo
desenvolvido em parceria entre a Escola de Comunicações e Artes da USP e
o Instituto Florestal de São Paulo. Portanto, apresenta uma busca de métodos
que serão aplicados no decorrer da pesquisa, tendo destaque algumas propostas
de avaliação de áreas protegidas e da eficácia de seu uso público, elaboradas
pela UNESCO em 2005 e que tem se tornado referência de gestão ambiental
em todo o mundo, sendo que, este projeto pretende testá-las em uma realidade
local (Parque Estadual do Jaraguá), intensamente afetado pela expansão urbana
desordenada da metrópole paulista.

Article Details

Como citar
MIRANDA DE SÁ TELES, Reinaldo; BELLATO NOGUEIRA, Silvia María. Novos arranjos espaciais da oferta turística associados às unidades de conservação presentes em espaços metropolitanos: O caso das áreas de expansão urbana da metrópole paulista no entorno do parque estadual do Jaraguá (SP).. El Periplo Sustentable, [S.l.], n. 25, p. 177-192, jul. 2013. ISSN 1870-9036. Disponible en: <https://rperiplo.uaemex.mx/article/view/8233>. Fecha de acceso: 05 oct. 2022
Sección
Participación en Congresos

Citas

Brito, M. C. W. (1995). Unidades de conservação: intenções e resultados. Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo, PROCAM, São Paulo, SP, Brasil.

Irving, M. de A. (2000). Ecoturismo em áreas protegidas: um desafio no contexto brasileiro. Espaço e Geografia, v.3, nº 1, págs. 47-61.

IGNEM. Instituto de Gestão de Negócios e do Meio Ambiente S/C Ltda. (2003). Uso e ocupação do solo da área do Parque Estadual do Jaraguá e entorno. Relatório Técnico. São Paulo, SP.

Lei Complementar nº 815, de 30 de julho de 1996, artigo 153, da Constituição Estadual Paulista. Cria a Região Metropolitana da Baixada Santista e autoriza o Poder Executivo a instituir o Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana da Baixada Santista, a criar entidade autárquica a construir o Fundo de Desenvolvimento Metropolitano da Baixada Santista, e dá providências correlatas. Recuperado em 22 de abril de 2012, de http://www.agem.sp.gov.br/pdf.

Mourão, R. M. F. (Org.). (2004). Manual de melhores práticas para o ecoturismo. Rio de Janeiro: FUNBIO; Instituto Ecobrasil, Programa MPE.

Nogueira S. M. B. (2011) Ações sustentáveis para o desenvolvimento do ecoturismo em unidades de conservação. In: Turismo e Meio Ambiente. TELES, R. M. de Sá (Org.). São Paulo: Elsevier-Campus.

Raimundo, S; Stigliano, B. V.; Cesar, P. de A. B.; Nucci, J. C. (2007). Planejamento do ecoturismo em áreas protegidas. Módulo III: Planejamento do ecoturismo em áreas protegidas. In: Almeida, R. A.; Leite, E; Malcher, M. A. (Organizadores). Ecoturismo: livro do professor e do aluno. Brasília (DF): Ministério do Turismo - AVT/IAP.

São Paulo (Estado), (2010). Secretaria de Estado do Meio Ambiente. Plano de Manejo do Parque Estadual do Jaraguá. São Paulo: SMA.

Sepe, P. M. E Gomes, S. (2008). Indicadores ambientais e gestão urbana: desafios para a construção da sustentabilidade na cidade de São Paulo. São Paulo: Secretaria Municipal do Verde e do Meio ambiente: Centro de Estudos da Metrópole.

SVMA/SEMPLA. (2002). Atlas ambiental do município de São Paulo. Fase I: diagnósticos e bases para a definição de políticas públicas para as áreas verdes do município de São Paulo. Secretaria do Verde e do Meio Ambiente e Secretaria de Planejamento da Prefeitura do Município de São Paulo.

Seto, K. C.; Sanchez-Rodrigues R.; Fragkias, M. (2010). The New Geography of contemporary urbanization and the environment. The Annual Review of Environment and Resources. 35:4.1–4.28.

Spinola, C. de A. O (2006). Ecoturismo, o desenvolvimento local e a conservação da natureza em espaços naturais protegidos: objetivos conflitantes? Revista de desenvolvimento econômico, ano VIII, nº 13, Salvador.

Takahashi, L. Y. (2004) Uso público em Unidades de Conservação. Cadernos de conservação. Paraná: Fundação O Boticário de Proteção à Natureza.

Teles, R. M. de Sá. (2007). Turismo urbano na cidade de São Paulo: a importância de alguns
segmentos e seus reflexos na configuração do espaço. Turismo em Analise (Cessou em 2007. Cont. ISSN 1984-4867 Revista Turismo em Análise), v. 2, p. 184-196.

UNESCO. (2010). Plano de ação de Madri para as Reservas da Biosfera (2008-2013). Brasília: Organização das Nações Unidas para a educação, a ciência e a cultura.

Zmitrowicz, W.; Angelis Neto, G. (1997). Infraestrutura urbana. São Paulo: EPUSP. (Texto Técnico).